segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Sacanas sem lei

Esse é o trailer:




Essa é sinopse:

Set in a bizarre, 1960s inspired version of World War II, action comedy series DANGER 5 follows a team of five spies on a mission to kill Hitler. Danger 5 is the finest group of special operatives the allies have to offer; Jackson from the USA, Tucker from Australia, Ilsa from Russia, Claire from Britain and Pierre from Europe. Each episode Danger 5 unravels another of Hitler’s diabolic schemes and travels across a myriad of exotic locations spanning the globe. The action and offbeat humour never relents as Danger 5 mounts a series of thrilling missions which include discovering Josef Mengele’s perverted Antarctic death circus, busting down Erwin Rommel’s golden murder casino and posing as exotic dancers in an attempt to take out Hitler at his own birthday party.


Esse é o 1º episódio:




Esses são os links:

Site oficial
Facebook
Twitter
Dinosaur


E esse sou eu:

domingo, 27 de novembro de 2011

Os nativos atiraram primeiro


"Folheando" a edição #19 de Star Wars Tales uma pequena história se destacou no meio do catadão colaborativo. Escrita por Haden Blackman (roterista de longa data do universo Star Wars) e desenhada por Sean Murphy (de Joe, o Bárbaro), "Into the Great Unknown" marca o encontro de dois dos maiores ícones do cinema: Han Solo e Indiana Jones. Respectivamente, o maior anti-herói de todos e um dos maiores heróis desde sempre. E ainda traz um belo e triste epitáfio para um deles.

Legal o modo como Blackman brinca com as duas mitologias num curto espaço sem soar forçado. Méritos também para Murphy em sua perfeita cartunização facial do Harrison Ford.



São possibilidades como essa que me fazem agradecer ao Mestre Yoda pelo universo expandido. Será que existe algum crossover de Darth Vader com o Thulsa Doom por aí?

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Diário dos vivos


Hora Fatal é uma pequena série brazuca sobre um apocalipse zumbi. O projeto é levado a cabo por Leonardo Barbedo e, além dos vídeos horror survivor em 1ª pessoa, também traz uma espécie de diário de guerra acompanhando os passos de algum candidato a ração de mortos-vivos. Promissor...

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Unholy shit!


Bem que tentei, mas não deu pra permanecer muito tempo indiferente. Odiado do fundo da alma pelos guerreiros true e insensado pela escória mortal sem honra - incluindo gente como James Hetfield e Phil Anselmo (que literalmente vestiu a camisa no recente SWU) -, o grupo sueco Ghost parece pronto pra reinar com fogo e enxofre no cenário do pop pagão. Justiça seja feita, seu debut Opus Eponymous, do ano passado, é Satã em forma de chiclete. Baalbaloo. Macaco véio que sou, fazia tempo que não ouvia uma armação tão bem articulada vinda da casa do capeta. Desde o Antichrist Superstar para ser exato - e com uma nesguinha daquele investimento.

A banda, que também é chegada num teatrinho, está lotando shows na atual turnê norte-americana, tem merchan espalhado em tudo que é canto e já tem quase 1 milhão e meio de execuções no LastFM desde 2010. Mesmo com a popularidade ascendente, a banda sabe que o segredo é a alma do negócio (ou, no caso, o negócio da alma). O jogo é escondido cuidadosamente e nem mesmo suas identidades são entregues: quem responde pelos vocais é o ilustríssimo "Papa Emeritus" e os demais músicos (dois guitarristas, um baixista, um baterista e um tecladista) são creditados como "Nameless Ghouls". Boa sacada para driblar o imposto de renda.

A poesia é aquela podreira. Saca a letra de "Death Knell":

Say, can you see the cross?
Inverted solemnly
Symbol for the goat
Of a thousand young

Six six six
Evoke the king of hell
Strike the death knell
Death knell

Say, can you hear the chimes?
Tolls now for the end
Bells call out their doom
As victor reaches womb

Sex sex sex
Recieve the beast of evil
Of evil…

Can you say his name?
Carrier of the light
Legions of this seed
A child a spouce will feed

S-A-T-A-N
Under spell
of death knell
Death knell

Uma belezura esse satanismo de gibi. Lembra até o Sarcófago de tempos idos (embora este seja insuperável!). E tudo isso sem levantar a voz ou partir para a cacofonia instrumental, ao contrário do que a estética tipicamente black metal sugere. Até o padre Marcelo poderia cantar essa música.

Outra coisa que chama a atenção é a capa do álbum...


..."levemente inspirada" no pôster do filme A Mansão Marsten, do nosso sempre estimado Tobe Hooper.


A marketagem não podia ser mais diabólica. Ainda assim, alguns detetives de horas vagas (24-7) já identificaram o líder do bando como sendo Mary Goore, do Repugnant (?), via reconhecimento facial chutométrico.


O som do Ghost investe no chamado occult rock do final dos anos 60/início dos 70 - um negócio tão segmentado e outsider que não tem nem verbete no Wikipedia. A tônica soturna e macabra, sem necessariamente ser heavy, vem de bandas seminais como Pentagram, Coven, Salem Mass e até certos números do Blue Öyster Cult e do Pink Floyd dos primórdios. Algo da NWOBHM também perambula por ali, tipo Witchfinder General e Holocaust.

Mas talvez a influência que mais salte aos ouvidos seja mesmo o Mercyful Fate dos primeiros dias, o que é negado com som & fúria pelos detratores. Mas é só checar o clássico Melissa e o catadão Return of the Vampire. Melhor ainda, ouça o Black Rose, a banda pré-Mercy do King Diamond. Não tem erro. Especialmente na inflexão vocal. Alguém está perdendo royalties.

Posto isso tudo, não é surpresa afirmar que Opus Eponymous é um caldeirão de referências rockeiras. Algumas obscuras, outras nem tanto. O fato é que não é apenas déjà vu: você já ouviu mesmo boa parte dos riffs, bases, linhas de teclado e das indefectíveis melodias presentes no álbum.

Minhas favoritas são o refrão de "Satan Prayer" com melodia Yes/Deep Purple em suas respectivas fases pop com levada de bateria disco (!), a instrumental "Genesis" trazendo o tema do Terminator semi-impresso nos acordes e, claro, o hit "Ritual", cujos riffs introdutórios (opa!) se passariam fácil como de alguma banda indie-fofa do festival Planeta Terra.


Queria era ver a cara do Dave Mustaine ao ouvir essa base de guitarra.

sábado, 5 de novembro de 2011

ParaNorman Activity


Zumbis, bruxaria, espíritos demoníacos, Donovan cantando "Season of the Witch"... Sozinhos, já garantiram a minha presença na sala de cinema. Nem precisavam citar o trabalho anterior dessa turma.

Working class superhero


Há apenas oito anos atrás, Superman: Legado das Estrelas dividia opiniões sobre a necessidade de recontar uma conhecidíssima história - no caso uma já muito bem recontada por John Byrne em Superman: O Homem de Aço, de 1986. Felizmente, em nome da globalização e de um projeto muito bem cuidado pelo roteirista Mark Waid e pelo desenhista Leinil Francis Yu, a empreitada acabou se justificando. Mas como os melhores inimigos do Superman, o famigerado relaunch sempre retorna. Ele está para a DC assim como a "morte" está para a Marvel. E em ambas as editoras, conceitos como bom-senso e continuidade parecem ter retornado pra caixa de sugestões.

Ciente de que não estou revelando o mistério da energia escura aqui, lá vai: relaunch é uma merda. Ruim se for de um único personagem, pior se for de todos excetuando o que é conveniente. Decisão editorial do tipo que me faz lembrar que leitores de Tex, Zagor, Mister No, Dylan Dog, Martin Mystère, Júlia Kendall e Mágico Vento nunca reclamam. Nada, nem um pio. Taí um clube que eu gostaria de entrar. Mas as coisas são o que são. Metallica e Lou Reed gravaram mesmo juntos, colocaram o Kelso no lugar do Charlie e o Flamengo foi espancado na Sul-americana. "Keep calm and..."

Ao menos a nova proposta para o Azulão é original. Ou quase. É inovadora pra quem tem menos de 60 e não acompanhou outro perfil do Clark que não aquele ideal americano encarnado - a um mícron do übermensch fascistóide explorado em abordagens mais ousadas, como Superman: Entre a Foice e o Martelo (queria eu ter uma foice e um martelo pra acertar na moringa de quem criou esse título) e até a inesquecível série animada Liga da Justiça Sem Limites. Sendo assim, parabéns aos editores da Panini pelo timing afiado: DC+ Aventura #3 é uma modesta porém bela introdução para esse recomeço do Superman.

Na história "A Cara do Autor", um jornalista da velha guarda inadvertidamente dá vida ao velho Superman dos anos 30. O problema é que seu ideal de justiça límpida e efetiva não se aplica à complexidade dos dias atuais. O roteirista Joe Casey sabiamente evita situações apelativas (como um embate físico entre dois Supermen) e faz uma singela homenagem aos valores que o herói defendia em seus primeiros dias. Confesso que essa história me emocionou um tanto mais do que eu esperava, particularmente na resolução do entrevero. Muito bom. De bônus, a edição finaliza com a origem do Superman por Jerome Siegel & Joe Shuster, em duas páginas da mais pura síntese narrativa. Minimalista é pouco.

Action Comics #1 mostra que o novo Superman bebe na fonte primordial de Jerry Siegel, Bill Finger (co-criador não-creditado do Batman) e Don Cameron. Sem mais guerra dos mundos, hipervilões-deidades e space operas em 89 capítulos e 52 tie-ins (por enquanto). Clark voltou a ser o herói dos oprimidos, o defensor da classe operária, o sal da terra. E o escolhido para guiar o novo rumo do personagem talvez seja o mais apto em todo o cenário dos quadrinhos atuais.

Traça que é, Grant Morrison deve ter salivado com a possibilidade de usar tudo o que sabe após todos esses anos de acesso ilimitado aos Arquivos DC. E também deve ter chorado de amargura quando percebeu que nem tudo funcionaria de acordo com o objetivo comercial do relaunch. A coisa toda teria que ser adaptada aos novos tempos. Tempos de Zeitgeist, WikiLeaks, Anonymous, Occupy Wall Street. Tempos de recessão mundial. Estados Unidos e Europa pulando juntos para o abismo. Máscaras de Guy Fawkes dobrando as esquinas.

Desde o nada discreto título da história, "Superman versus The City of Tomorrow", até a dinâmica re-re-repaginada do herói, agora com os pés atolados no chão (literalmente, já que não voa, apenas salta), tudo está em plena sintonia com as pessoas que defende - todo o proletariado que uma grande metrópole como New York, ou Metrópolis, pode comportar. Já de cara, Superman detona um mega-empresário corrupto que celebrava seus novos ativos em seu luxuoso prédio, com direito a champanhe na sacada. Ficção? Talvez o título mais adequado para a história fosse "Superman versus The 1%".

Esse populismo todo provavelmente não vai durar. A 2ª edição já traz um gancho que sugere a volta do antigo background com ênfase no ficcional. Mas a mensagem da estreia não deixa dúvidas.

Narrativamente, porém, Morrison lança mão de alguns recursos bem previsíveis. Cidadãos comuns defendendo o Superman num momento de aperto e a vidinha suburbana do Clark praticamente reedita a fórmula consagrada pelo Homem-Aranha/Peter Parker. Uma operação militar tentando capturar o "monstro" também lembra a rotina de um certo grandalhão esverdeado. Se não depõe contra, muito menos a favor.

E o mais importante: o novo Superman, badass? Acalmai-vos, nerds exaltados de Midgard. Mais reacionário, talvez. Daquela grosseria da Era de Ouro pouca coisa foi mantida, mas nada que lembre a saudável (e visceral) rivalidade com Fletcher Hanks nos áureos tempos. Morrison se segurou, por motivos óbvios.

Ainda não será dessa vez que ele fará o "escoteirão" escapar de uma perseguição sem deixar testemunhas.




DC+ Aventura #3


Action Comics #1