domingo, 28 de janeiro de 2007

DIABOLE VERTSES EN UN VESES



"Who, in their right mind, could possibly deny the 20th century was entirely mine?"
                                                                                                                     John Milton (Advogado do Diabo, 1997)

E pelo andar da carruagem, o coisa-ruim anda fazendo uma senhora campanha de publicidade também no século 21. É um tanto desesperador que esta frase tenha sido cunhada numa época pré-11/9, pré-Afeganistão, pré-Iraque, pré-tsunami, pré-mensalão, e por aí vai. Certa vez, li uma teoria sobre o livro/filme O Exorcista que explicava que aqueles eram tempos de crise moral e política nos EUA, somadas aos horrores de uma guerra perdida, à escalada da violência urbana e à ausência geral de valores espirituais. Ou seja... o ambiente perfeito pro demo fazer a festa (começando por garotinhas indefesas). Longe de ser um expert nos aspectos técnicos das manifestações cramulhísticas, imagino que, sendo uma entidade abstrata em nosso plano, a sugestionabilidade coletiva é uma poderosa arma em suas garras. Não que o tinhoso seja o causador da merdaiada em que o ser humano vive se metendo. Seu 'trabalho' é muito mais discreto. Afinal, como profanou humildemente John Milton... "não sou titereiro... apenas preparo o cenário. Você é quem puxa suas próprias cordas".

Na cultura pop convencionou-se tornar a figura do belzebu em algo mais concreto e, nessa, o conceito do anticristo foi prontamente adotado. No cinema, ele aparece mais freqüentemente como uma força invisível e irreprimível (vide o Bzão O Príncipe das Sombras) ou como moleques assustadores com um "666" tatuado em algum lugar do couro (A Profecia, O Bebê de Rosemary). Mas isso é só no caso da paternidade ser do próprio Satan-in-chief. O esquema todo é cheio de regras e estratégias porque o livre-arbítrio, graças a Deus, tá na área.

Nos quadrinhos, essa burocracia infernal, bem mais complicada que uma "simples" possessão (à Etrigan/Jason Blood, da DC), pode ser contornada quando o cão em questão pertence à uma classe inferior - 1/3 dos anjos originais já é um número que demanda alguma pesquisa censitária. Nota-se também que um objetivo de vida mais modesto e não tão ambicioso, tal como "conquistar/destruir o mundo", é um facilitador do processo. Foi assim com o sacana Violador (arquiinimigo do Spawn), da Image, que, se não me falha a memória, é filho de um demônio jurássico old school com uma humana (é isto mesmo, Fivo?).

Já o sinistro Coração Negro, da Marvel, é um caso à parte.


Wes Bentley recebendo o exú Coração Negro: a forma humana do vilão

Criado por Ann Nocenti e John Romita Jr. em 1989, ele debutou numa história do Demolidor (Daredevil vol.1, #270 - publicada no Brasil em Superaventuras Marvel #122). Coração Negro é filho do super-capeta Mefisto, que o concebeu sem envolver qualquer miscigenação - o pequeno Coraçãozinho, além de 100% Negro, é 100% Cramulhão - detalhe que acho interessante. Ensaiando uma versão blasfema do Deus cristão, Mefisto envia seu único filho para a Terra em busca de uma espécie de redenção invertida. E para isto, nada melhor que vilipendiar os valores e ideais de alguma alma justa, incorruptível e altruísta - é ou não é a descrição per se do Demolidor (a.k.a Demônio Audaz)?

Em seus primeiros dias, Coração Negro é instinto puro. Através dos recordatórios, Ann Nocenti (mulher sensacional... ainda vou escrever muito, mas muito sobre ela) detalha minuciosamente cada sensação e etapa do aprendizado da infante criatura das trevas. O resultado lembra o texto de algum documentário estilo Desafios da Vida, com predadores famintos cercando filhotinhos desgarrados. A prosa de Nocenti é ágil e muito bem-sacada, o que impede o roteiro de se tornar pretensioso e enfadonho. Mesmo assim, ela aposta no seguro e suaviza ainda mais a atmosfera com uma participação especial do Homem-Aranha - outro herói sempre às voltas com dilemas éticos e ideológicos.

E Romita Jr., atravessando a primeira e definitiva re(/volu)formulação em seu estilo, insere em sua concepção visual o mesmo clima descomplicado das palavras de Nocenti. Fora que seu design para Mefisto, além de radical, é bem mais aterrorizante que o Conde Drácula cover habitual.


Provavelmente... nunca havia pensado nisso e nem sei se confere de fato... Romita Jr. tenha se reinventado de maneira tão efetiva visando a interação ideal com a narrativa de Nocenti. Acredito mesmo que ele tenha empreendido uma busca pela química perfeita entre suas imagens e o texto dela - deixando pra trás a influência paterna inicial (wow) para descobrir sua verdadeira ID artística, o que resultou numa das melhores parcerias dos quadrinhos, merecedora de TPB's, sketch-books e edições especiais ad nauseum (alô Panini!).

Segue abaixo a história da treta de Murdock e Parker versus o vilão de coração negro. Scans by me.





Peter Fisto: easy rider from hell
Sinceramente, tento não esperar muito da adaptação de Motoqueiro Fantasma - onde também estrearão na telona o papai Mefisto (ou Mefistófeles) e Coração Negro (Jr). Apesar dos ótimos previews, teasers e trailers, o figura Mark Steven Johnson sempre será o diretor do decepcionante Demolidor. Mas, olhando pelo lado positivo, grande parte das deficiências que deram as caras em Demolidor (sem trocadilho) serão contornadas pela natureza e poderes sobrenaturais do personagem-título. E o cast é bastante animador. Além de Nicolas "droga-eu-queria-mesmo-era-o-Superman" Cage, também tem o meu tio Sam Elliott, o sempre promissor Wes Bentley, a instituição harley-davidsoniana Peter Fonda e a explosively hot Eva Mendes.

E não sei até que ponto se pode confiar nas declarações do diretor, mas que elas são instigantes, isso são: "Coração Negro é mostrado no que eu considero sua 'forma humana' na maior parte do filme. Mas ao longo da história nós recebemos dicas do que existe debaixo desse disfarce. No clímax descobrimos seu eu verdadeiro - e ele é horroroso. Haverá um pouco do visual clássico da HQ adicionado de alguns elementos de horror".

Mefisto te abençoe, meu filho. Motoqueiro Fantasma estréia nos EUA em 16 de fevereiro. No Brasil, dizem que será em 02 de março.


Na trilha: Paradise Lost, One Second Live.

5 comentários:

Fabio Martins - Kalunga disse...

Salve Doggma!!

Cara, não sou muito conhecedor deste universo, mas me permito emitir algumas opiniões. Concordo c/ a frase de Jonh Milton sobre o cramulhão. E, quando se fala por aí que o "ambiente está perfeito para o demo fazer a festa", vc já reparou que isto sempre está acontecendo? Que o ser humano sempre dá munição para o Cão a todo momento, independente de época? Que o mundo era pra ter acabado há 7 anos atrás, segundo previsões que vinham de séculos atrás, e que o mundo continua pra acabar?

O ser humano consegue ser tão covarde para com seus atos que inventou o Coisa-Ruim para jogar a culpa de seus atos maldosos. Algo que todos temem ao ponto de não quererem chegar tão baixo. Algo tão perfeito que todos saber ser inatingível: Deus e o Diabo na Terra do Sol, e todos são felizes e com seus erros devidamente direcionados a doggmas (ops!, não foi trocadilho, hehehehe) cujas existências se transformam em muletas.

Dentro deste contexto, fico adimirado de como a cultura pop retrata o Coisa-Ruim das formas mais variadas possíveis, transformando-o até em figura adorável - eu mesmo sou fã daquele capetinha-símbolo do rockabilly, quase tatuei um!

Simpatizo também com o Mefisto, um diabão mais inteligente. Aí vem o papo de "adaptação p/ a telona" de um HQ: o diabão de Hollywood pronto para provocar calafrios nos fãs da série.

Cara, eu chapei mesmo foi c/ o Sin City, e do pouco que li no HQ e depois vi na telona, me decepcionei.

E vamos que vamos, pois vou procurar mais uma referência p/ meus arquivos. E viva a Cultura Pop!!!

Não páre de escrever, por favor.

abração!

Sandro T. Cavallote disse...

Não tô esperando nada do Motoqueiro. Espero um filme legal apenas. E eu não achei Demolidor tão ruim qto a maioria...

Esse Blackheart era legal de jogar no Marvel Superheroes ou Marvel Vs. Capcom...

Cláudia Danielle disse...

Pq vc não colocou o link da trilha: :D

L.U.W.I.G disse...

1 - Engraçado... Depois daquele encontro (Corações Negros) com o Logan, Danny (Motoqueiro II) e o Frank, não me lembro de ter visto o Coração Negro perambulando pela Marvel, não? Cê se recorda de alguma outra história com 'Mefisto Kid'?

2 - Engraçado²... (Re)Fiz este mesmo "puxão de orelha" a Panini quanto a republicação da passagem Nocenti/Romita Jr. no DD em meu último post. Lembra do quão porca (cortes de dar dó) foi sua publicação em SAM? Aliás, você está bem familiarizado com “Sinais Vitais”, não está? Ali, a Editora Abril simplesmente condensou, ou melhor, adaptou, ou “pior”, cortou várias seqüências limitando o que antes eram exatas 4 edições, à mais ou menos 70 páginas de uma só – são mais ou menos 30 páginas perdidas!

Veja só isso:

A) http://i7.photobucket.com/albums/y276/Luwigx/mancada_da_abril01.jpg

B) http://i7.photobucket.com/albums/y276/Luwigx/mancada_da_abril01.jpg

Legal, não?

Grande abraço.

doggma disse...

Kalungaaa!! Rapaz, por essas e outras que acho o discurso do Pacino em AdD um tapa na cara desse fanatismo religioso hipócrita. O dia em que o 'cerumano' tomar consciência da responsabilidade de seus atos, o estrago já estará feito. Vide o fórum desesperado sobre o aquecimento global - agora que "eles" estão se preocupando? Isso aí... "vamos f#28& com o ex-planeta-de-Deus" sem dor na consciência. Amém.

SandroDevil: pro potencial que tinha e com o que fizeram, ficou muito, mas muito a dever. No entanto, o filme, sem estas considerações, é até simpatiquinho. :)

Dani >> bem que eu queria, rs...

Luwig (ainda vou descobrir)! Cara, depois dessa trinca que você citou, só vi o Blackheart de novo quando ele e Selene enfrentaram os 4 Fantásticos. Mais um caso de personagem mal-explorado na Marvel. Quanto aos cortes insanos da Ed. Abril, como sou fã da fase Nocenti/Romita Jr no DD, fui obrigado a baixar todas as originais. Esta da Vital Signs (que adoro), em particular, foi um crime. Não existe justificativa para um negócio desses.