quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Trailer Banda Vermelha Louraça Belzebu Provocante

"Dos diretores de John Wick..." 
(ler com a voz do Jorgeh Ramos)


De um dos diretores, na verdade, e nem o que foi creditado: David Leitch. Que, só pelos primeiros segundos desse páuer-trailer, dá pra ver que não tem um único átomo de sutileza em toda sua cadeia de ácido desoxirribonucleico. Charlize, mon amour, que falta de decoro é essa. Zero pose, zero glamour e 100% sangue nos óio. Adorei. Uma declaração de amor (que fofo) à energia cinética.

Confesso que tenho problemas com cenas de personagens femininas descendo a ripa na marmanjada. Quase nunca convence. Às vezes chego a torcer o contexto da cena dentro da minha cabeça até aquilo funcionar pra mim - e é raro isso dar certo tampouco. De sopetão, lembro de duas mocinhas que passaram com louvor na exigente Escala Rothrock (minha resposta ao Teste de Bechdel): Zoë Bell, demolidora em Raze (2013), e, acredite se quiser, Anna Torv, quando atendia por Olivia Dunham em Fringe.

Ok, a primeira nem conta tanto, visto que já era dublê profissional casca-super-grossa, mas La Torv, nas poucas ocasiões em que Olivia amarrava camisa com alguém, demostrava uma disposição absurda. Que saudade... Beijos, Olivia.

Atomic Blond, cujo nome de guerra no Brasil (calma) será Atômica, é uma adaptação do quadrinho The Coldest City, do roteirista britânico Anthony Johnston com o desenhista Sam Hart. Espero que a instigante prévia seja apenas a pontinha do iceberg. Porque agora estou pronto pra outro round, Charlie.


Atômica estreia nos Trumps Unidos dia 28. No Brasil, se não formos despejados até lá, dia 31 com certeza.

"Nos melhores cinemas da cidade."

domingo, 30 de julho de 2017

(Colecionadores) Amotinados, uni-vos!

Dos confins dos traiçoeiros territórios dos mercenários livres ressoam choros e soluços copiosos...


A vida do encadernad(ã)o Os Novos Vingadores: Motim! nas livrarias não foi longa, mas foi bastante próspera. Na época, não creio que a editora Panini antecipava o tamanho da procura que a edição teria e lançou uma tiragem bem aquém da demanda. Jogada por mim no balaio do "a adquirir quando sobrar algum $$$", vi Motim! se amotinar contra meus planos ao evaporar sistematicamente de todas as cadeias (de livrarias) físicas e virtuais. Quando menos percebi, a edição já estava sendo vendida a peso de ouro em vários sites de venda informal - e não só o Mercado Livre.

Foi nessa época que desenvolvi uma teoria conspiratória de boteco sobre uma raça reptiliana disfarçada que adquiria grandes lotes de títulos recém-lançados para revendê-los por aí a preços pornográficos. Caso tenha interesse, os direitos de filmagem ainda estão disponíveis para venda.

Lançado pela Panini originalmente em fevereiro de 2012, o compilado tem 380 páginas reunindo as edições de 1 a 15 de New Avengers. Bom, após tantas análises elogiosas é até redundante dizer que curto bastante essa fase específica dos Vingadores (mesmo 13 anos depois de escrever a bagaça #1) e por isso mesmo tinha um grande interesse nesse relançamento.

Calhou do destino me recompensar pelo exercício espartano de paciência. Com o preço de capa a 79 dólares brasileiros, peguei a edição por 50 mangos na promocha da Fnac (que ultimamente anda despirocando grandemente nos descontos, fique de olho). E o mais legal de tudo foi rolar de rir dos mercenários tristes com suas edições encalhadas ad eternumPara alguns a ficha ainda não caiu - e duvido muito que caia um dia.

Chamo isso de síndrome d'O Evangelho Segundo Lobo pós-traumática.


$ $ $ $ $ $ $


E com Demolidor - O Homem sem Medo finalmente retornando à ponta da agulha - outra por muitos anos sendo chamada de "raridade" pelos escalpadores sem a menor propriedade - vou me dar ao luxo de uma pequena atualização.

Há alguns anos, um mix explosivo de falta de espaço e armazenamento improvisado rapidamente evoluiu para várias montanhas de edições com capa dura e papel couché empilhadas, resultando num quase-worst case scenario: as páginas de muitas edições ficaram irreversivelmente coladas.

Aliás, coladas não... fundidas mesmo. Algo químico envolvendo a tinta da impressão e a estrutura do caro e ultrassensível papel deluxe. Apesar do processo ser gradual (começa com as páginas grudando suavemente), não vi nada até ser tarde mais. O miolo de alguns encadernados virou uma coisa só, um paralelepípedo com capa dura.

Esse evento ficou conhecido como o Grande Desastre de 2014. Prejuízo de 5,2 quaquilhões em valores atualizados.

Mas até que tive sorte, por isso o quase-wcs. Todos os Sandman e os Preacher saíram dali intactos. Os que tiveram perda total já foram quase todos substituídos. Me falta ainda o vol. 1 da excelente e injustamente ignorada Criminal da Panini (espero uma nova tentativa da editora ou importo...?).

E Homem sem Medo que, apesar do miolo íntegro, ficou curiosamente danificado nas páginas de créditos iniciais e finais.


Sou um novo homem depois dessa experiência. Posso até dizer que me tornei um amigão da vizinhança.

Com grandes desastres...

quinta-feira, 20 de julho de 2017

O homem, a motosserra, o mito

Nem imaginava que o icônico Leatherface teria um filme de origem para chamar de seu. E já tem até trailer!


O filme é dirigido pela dupla Julien Maury e Alexandre Bustillo, conhecidos como um dos pilares da nova onda do terror francês. Seu longa de estreia, o pauleira À l'intérieur (Inside, 2007) deixou o Bloody Disgusting de joelhos:

"One of the most audacious, brutal, unrelenting horror films ever made, Inside is perhaps the crown jewel of the new wave of extreme French horror films."

O elenco traz Stephen Dorff no papel do ranger Hal Hartman - homenagem ao R. Lee Ermey, que figurou no Massacre de 2006? - e Lili Taylor, culpada por protagonizar A Casa Amaldiçoada e solta sob condicional após trabalhar em A Invocação do Mal. Fora a estranha presença de Finn Jones (o Loras Tyrell e Punho de Ferro) como um ranger-provável-candidato-a-presunto.

O filme fará uma exibição no FrightFest de Londres em agosto. Estreia on demand e em circuito limitado a partir de 20 de outubro. Nada animador, mas entre uma coisa e outra já deverá ter caído nos HDs dos bons cristãos.

Pessoalmente, estava pra lá de satisfeito com a origem da família Sawyer/Hewitt no ótimo O Massacre da Serra Elétrica: O Início. Mas as credenciais hardcore dos cineastas mais o clima pesado da prévia me agradaram deveras.

E o Leather merece esse mimo.

domingo, 16 de julho de 2017

Bravo, Romero!


George Andrew Romero
(1940 - 2017)

Comentar mais o quê do Grande A. Romero? Não satisfeito em resgatar, modernizar, globalizar e eternizar toda uma estranha subcultura, o cineasta ainda era influência perene em filmes, música, literatura, quadrinhos, artes visuais e o que mais houvesse dentro da cultura pop.

Além de ser o criador do clássico com o título mais legal de toda a história do cinema.

Romero foi a razão direta para muitas trilhas que fui tomando em minha vida - filmes, livros, gibis, discos, visão crítica do mundo, este blog. Nunca me arrependi de nenhuma delas.

Só por isso, meu muito obrigado, velho mestre.


Ps: uma nova maratona da hexalogia ...of the Dead na agulha? Com certeza. Com um Martin e um The Crazies para rebater.

Pps!: Como se não bastasse, Martin Landau também. E a fileira dos grandes diminui a passos largos. 

R.I.P.

sábado, 15 de julho de 2017

Ah, Saga do Urso Místico, sua linda


Os Novos Mutantes - Entre a Luz e a Escuridão, de Chris Claremont & Bill Sienkiewicz. Esse encadernado é parte de um sonho tão antigo que só poderia ser datado via carbono-14.

Ok, ok... esse sonho vem desde 1989, quando peguei numa banquinha O Incrível Hulk #72, formatinho da Abril em que os mancebos mutunas estreavam seu novo desenhista em muito boa companhia: o Verdão em plena fase John Byrne e um divertido Roger Stern escrevendo seus Vingadores da Costa Oeste - que considero o molde utilizado pela dupla Giffen-Dematteis em sua posterior "Liga tosca". Pois bem, meu bem.

Já na 1ª folheada fiquei assombrado com a pegada vanguardista de Sienkiewicz, mesmo nas dimensões pra lá de compactas do gibizinho. Já conhecia seu estilo peculiar pelo Cavaleiro da Lua fase Moench na revistinha do Capitão América, mas pesava lá a forte influência de Neal Adams e da estética de violência urbana do início dos anos 1980. A diferença daquele momentum criativo para o state d'art atingido em Novos Mutantes chega a ser objeto de estudo.

Em que pesem termos como "atmosfera de pesadelo" e "tensão psicológica" surgindo na mente sem aviso, a fluência gráfica de Sienkiewicz vai muito além disso. Há tantas informações por quadrinho, passagens entre-quadros e splash-pages quanto possível antes da coisa degringolar pro surrealismo.



De quebra, um posfácio muy espirituoso de 5 & 20, mais esboços e estudos de personagens nos extras. Menção honrosa para os bons esforços do líbero Bob McLeod na edição Anual, lá pela meiota do livro, pra dar uma quebra.

E Chris Claremont. O homem era uma força da natureza - isso não é necessariamente um elogio. Na década de 80 ele estava em todo lugar, inevitável. Talvez seja o escritor que melhor se adequou aos ditames da indústria e quid pro quo. Com todos os vícios e virtudes, ignorando categoricamente qualquer tentação autoral, virou um zeitgeist perneta dos quadrinhos mainstream daquela era.

Sua passagem pelo roteiro da jovem equipe não foi diferente. Nesse compilado de nove edições, Claremont brilha tanto quanto apronta: meu absurdo favorito acontece justo na edição da capa, New Mutants #21, quando Illyana, durante um pega com o alien biomecânico Warlock, ressurge inexplicavelmente num traje espacial segurando alguma metranca futurista - uma "looonga história" revelada apenas na edição #63, quatro anos mais tarde.

Toda essa quizumba e uma análise minuciosa do run de Claremont-Sienkiewicz você encontra no belíssimo artigo de Greg Burgas para o CBR.

Pelas minhas contas, em cinco anos, 3/4 daquele sonho foram realizados. Nada mal. Falta então apenas mais um...

...que, por acaso, segue como uma das maiores injustiças do mercado editorial brasileiro de HQs.


Vamos lá, Panini. Você consegue. Nos faça acreditar mais uma vez.

sábado, 8 de julho de 2017

Nelsan esteve aqui


Nelsan Ellis
(1978 - 2017)

Em meio à tanta gente boa dando o pé deste mundo cada dia mais chato, não pude me esquivar da partida sem aviso do talentoso Nelsan Ellis. Ou, na forma que ele assumiu com genialidade ímpar, Lafayette Reynolds, da série True Blood. Fácil, fácil, um dos personagens mais marcantes que já tive o prazer de assistir em qualquer mídia.

E como assisti. Até mesmo quando a série já havia queimado toda a sua lenha.




Foi cedo demais, é certo. Mas deixou sua marca.

quinta-feira, 29 de junho de 2017

All work and no play makes Jason a dull boy

Estava preocupado com os rumos do país. Mas mandei tudo pro inferno mesmo quando soube que esse game foi lançado há um mês e só fiquei sabendo agora.


Pelo visto, a próxima publicação em atraso extremo terá um motivo bem mais específico.

terça-feira, 9 de maio de 2017

JotaBeCeeeeeeee!!

Bom dia.

A editora JBC (enfim) desembuchou tudo o que sabe sobre a aguardado lançamento de Akira. Mas ainda não tirei os olhos de uma coisa.


70 mangos o volume. E sem cafuné na pré-venda da Saraiva.

Só pra constar.

Ps: vai ser um bate-boca épico no departamento de fusões & aquisições.

domingo, 30 de abril de 2017

O Estranho das Filipinas


Na época do lançamento do filme do Dr. Estranho, ano passado, fiquei de mandar o foca rascunhar um breve-mas-charmoso texto para a ocasião. Como isso nunca aconteceu, o filme - que me surpreendeu positivamente, que registrem nos autos - acabou como acabaram tantos filmes-pipoca por aqui: passando batido. Felizmente agora, em meio à faxina/releitura sazonal da portentosa coleção de papiros da 9ª arte, o nobre Doutor-Mestre das Artes Místicas há de ganhar seu tributo nesta pocilga. Que belo timing, hm?

Heróis da TV #68 e #69 (fev-mar/1985), formatinhos da Abril. Meu primeiro contato com Stephen Strange fora das fileiras dos Defensores. Era o Stephen solo, de várzea. E assustador pra caralho. Pelo menos pra um moleque acostumado ao bom e velho maniqueísmo multicolorido super-heróico.

O universo particular do Dr. Estranho era um lugar de fato estranho, com traços pesados e uma atmosfera tão obscura que chegava a ser azul. O mago honrava mesmo as calças que vestia quando ainda estrelava Strange Tales, seminal antologia de horror e monstros da Marvel.

Aquelas eram as edições #20 e #22 originais do título Doctor Strange vol. 2, ou Doctor Strange - Master of Mystic Arts. O roteiro de Marv Wolfman não era dado a pirotecnias, mas deixava claro que aquele não era o quadrinho regular da Marvel. Algumas mortes eram de arrepiar -  e aí entra o verdadeiro protagonista destas modestas linhas (mas que sacanagem com o discípulo-mor do Vishanti, você vai dizer, mas calma lá que é justificado): o veterano artista filipino Rudy D. Nebres.

A arte detalhista com painéis que lembravam um óleo sobre tela gótico trazia tons fúnebres, cenários surreais e um clima febril e perturbador que remetia a um pesadelo - nesse ponto lembrando uma cruza blasfema da mão pesada de Gene Colan com o traço estiloso de Neal Adams. Mal comparando, era como o Stephen Bissette, do Monstro do Pântano de Alan Moore, saído de uma missa negra chapado com chazinho de Santo Daime.


Nas duas histórias publicadas, "Xander, o Impiedoso!" e "Tomada pela Loucura", a arte de Nebres se destaca numa aventura, que, de outro modo, ou com outro desenhista, não passaria de divertida. Mas o que se vê aqui, em cada quadr(inh)o é grande arte.

Sem o título de Mago Supremo e com seus poderes diminuídos pelo Ancião (não me pergunte porquê), o Dr. Estranho encontra pela frente o vilão Xander. Durante a batalha, um revés: sua aprendiz Clea acaba possuída pela magia negra de Xander e sai por aí cometendo as maiores atrocidades.


A despeito de Nebres ter concebido a Clea mais sensual de todas, tenho algo a confessar: a cena que mais me causou arrepios nas HQs da época é quando a moça vai parar na cadeia e para se livrar de uma detenta ameaçadora, ela concreta a infeliz ainda viva.



Não satisfeita, Evil Clea sai pela cidade tocando o terror em termos bíblicos e Lovecraftianos, como qualquer minion from hell que se preze.



Tive alguns... "problemas" com essas cenas também, pela carga imagética/religiosa envolvida. Fazer o quê, sou um católico cheio de culpa que não sabe o que faz e que, na época, ainda tinha os  devaneios apócrifos de Os Caçadores da Arca Perdida ecoando forte na cabeça.

Apesar de seu incrível talento, no Brasil a carreira do señor Nebres foi marcada por seus trabalhos como arte-finalista. Ele fazia a cobertura dos lápis de gente como John Buscema, Gil Kane e os citados Gene Colan e Neal Adams, notadamente nos gibis do Estranho, do Hulk e do Conan (em especial A Espada Selvagem). Sempre com uma proficiência e qualidade do nível de um Alfredo Alcala, se for pra mensurar a competência do homem. Mas também assinou muita arte original, conforme o compiladão do Comic Book DB - e que, por algum motivo, continua sepucralmente inédita por aqui em sua esmagadora maioria.

Ao que consta, após a produção em ritmo industrial que manteve nos anos 70 e 80 o artista se afastou dos quadrinhos para investir seus talentos em áreas mais comerciais. Reservado e sem reconhecimento pelo conjunto da obra, Nebres faz aparições esporádicas em convenções de pequeno porte nos EUA.

Pra mim ele sempre será o dono do traço mais bacana - e assustador - que o Dr. Estranho já teve.