sábado, 30 de julho de 2011

O triunfo da vontade


Capitão América: personagem alegórico de perfil motivacional criado por Joe Simon e Jack Kirby no início de 1941 para a Timely Comics, embrião da Marvel Comics. No final daquele ano complicado, os Estados Unidos entraram oficialmente na 2ª Guerra.

70 anos, inúmeros conflitos e uma ordem mundial inteiramente nova depois, o filme que os recrutas mereciam assistir. O 1º pra valer, vamos combinar. As tentativas anteriores de impor o Capitão sem a substância que faz dele o que ele é não vingaram nem a pipoca - e não me refiro ao soro do supersoldado. Fazer um filme sobre o heroi, com toda sua carga de simbolismos e ideais, é quase como fazer um filme sobre o Tio Sam. Foi aí a grande sacada de Capitão América: O Primeiro Vingador - o filme abraça a causa, por mais ultranacionalista e esdrúxula que ela possa se tornar, mas de maneira esperta, malandra e até autosarrista, sem jamais se render a recalques históricos que quase sempre deixam um gosto melancólico após uma falsa catarse de vingança e redenção.

Não que o roteiro de Christopher Markus e Stephen McFeely seja um Norman Rockwell dos escritos d'antanho, mas alcançou o tom pop ideal para um personagem tão 1940. E sem deixar de fora as boas referências ao seu universo, salpicadas matreiramente durante toda a projeção. O Capitão América, quem diria, funciona e não soa como uma relíquia espalhafatosa da Era de Ouro pedindo aceitação nesses tempos tão cínicos. Considerando que essa era a parte preocupante, pode-se dizer que O Primeiro Vingador é um vencedor.

O problema ficou mesmo em aspectos padrões do filme. Talvez em algum ponto na interação entre a dupla de escribas com o comandante Joe Johnston e o cronograma nada amigável da Marvel Studios.


Primeiro, a parte boa. A ótima caracterização de Steve Rogers foi essencial para a coesão da narrativa, que cruza elementos de gêneros distintos sem a menor sutileza. Mais ainda, consegue estabelecer certa identificação com o espectador (a menos que este tenha assumido apaixonadamente o papel do valentão nos tempos de escola), além de transmitir uma mensagem simples, ingênua e boba até, porém universal: nunca desista de seus sonhos.

Chris Evans pode ter provocado a ira dos fanboys em suas primeiras declarações sobre o papel e certamente sua imagem de garotão à Ryan Reynolds não podia soar mais deslocada para a função. Mas quem o viu em Sunshine: Alerta Solar já conhecia seu potencial, apesar do ceticismo da maioria - olha a metáfora saltando das telas e invadindo o mundo real aí.

Evans, com toda a pinta de rei do baile e capitão do time, quem diria, rendeu uma boa mistura entre Peter Parker e a parábola do sapo surdo. Ou um Petey mordido por um sapo surdo radioativo, sei lá.

Não posso opinar tanto sobre a esqueletização digital do sujeito, já que o 3D desse filme parece ter sido convertido no fundo de quintal mais vagabundo da Santa Efigênia. Pelo que vi, pareceu convincente. Esse primeiro terço pré-Capitão foi justamente a parte que mais me agradou no filme, com um show à parte da produção de época e o clima nostálgico das ruas reeditando a atmosfera na qual o personagem nasceu - antes mesmo de ser o grandioso Capitão América, o pequeno Steve Rogers já era o sal daquela terra.

O Roger Ebert cantou a bola direitinho: Steve era só mais um garoto que queria ser como Charles Atlas e usar aquele poder não apenas para espancar "bullies" ou ganhar garotas, mas em favor da melhor causa de todas: ser americano.


Inicialmente achei que a ausência de suásticas e nazis afastaria o personagem de sua raison d'être. Felizmente, substituir os tradicionais chucrutes pela Hydra e todas as suas possibilidades ficcionais se mostrou bastante acertado, mesmo sem qualquer menção ao Barão von Strucker, à Madame Hydra e outros notáveis. Hugo Weaving, como sempre, impecável como o infame Caveira Vermelha. E isso inclui seu sotaque macarrônico e uma canastrice tal que só é possível pra quem está se divertindo a valer em frente às câmeras.

Toby Jones, pelo que conheço de seus trabalhos, parece ator de um papel só. Se for assim, foi a escolha perfeita para o Dr. Arnim Zola - cuja primeira aparição no filme foi uma referência impagável que provavelmente só os leitores dos quadrinhos vão pescar.

Do lado dos herois, um bom núcleo de atores e um naipe interessante de personagens dos quadrinhos, embora um tanto quanto subaproveitados. Os destaques vão para a bela inglesa Hayley Atwell no papel da agente Peggy Carter (interesse romântico de Steve), o grande Stanley Tucci conferindo um tom sereno, terno e quase paternal ao Dr. Abraham Erskine, Dominic Cooper personificando um Howard Stark que, além do bon vivant de praxe, também faz as vezes de Q para o Capitão - e em nada lembra a figura distante e obcecada como foi retratado em Homem de Ferro 2 - e finalmente Sebastian Stan fazendo um bom trabalho no (mais uma vez reescrito) Bucky Barnes.

Tommy Lee Jones está totalmente dispensável no papel do Cel. Chester Phillips, mas vale uns centavos pela rabugice que sempre imprime com um pé nas costas. Quero ser um velhinho igual aquele quando crescer. O chato mesmo foi ver desperdiçado o contingente bacana dos Comandos Selvagens, especialmente Neal McDonough, como o bonachão Dum Dum Dugan.


"America... FUCK YEAH!"

É a segunda vez que Joe Johnston dirige uma aventura sobre um heroi dos quadrinhos lutando contra vilões nazistas. A primeira foi em Rocketeer, há exatos 20 anos atrás, com produção da Disney, hoje dona da Marvel. É uma sincronicidade curiosa e um bom precedente, se tivessem me perguntado. Nessa nova incursão, no entanto, o termo "diretor operário" me veio à mente mais de uma vez durante o filme. Apesar dos bons empréstimos conceituais da versão Ultimate do heroi (Mark Millar é devidamente agradecido nos créditos finais), O Primeiro Vingador perde seguidas chances de fazer a diferença em momentos-chave, se limitando a sequências incrivelmente requentadas.

Há insumos de várias procedências aqui: Luke e Vader duelando numa ponte estreita sobre um abismo, o primeiro salto de Neo de um edifício para o outro, postais do Indy durante a Última Cruzada e até uma perseguição de speeder bikes na lua de Endor - isso pra ficar só nos mais óbvios. O cineasta também podia ter um pouco mais de bom senso na sequência em que o Cap invade sorrateiramente uma base da Hydra levando o "discreto" escudo estampado com a bandeira americana...

Mas o principal ponto negativo é o mesmo que já vem acometendo as produções da Marvel Studios desde Homem de Ferro 2 e que atinge seu auge neste filme: um plot que busca sua autosuficiência mais na presença do heroi e de seu universo do que numa história a ser desenvolvida e (bem) amarrada até a sua conclusão. Nada de tramas paralelas, reviravoltas ou mesmo uma grande missão pela frente. O Cubo Cósmico sequer representou um MacGuffin de respeito - o Capitão mal sabia de sua existência. A edição supercompacta das missões do Capitão com os Comandos e o final abrupto não deixam dúvidas. A exemplo de Thor, a trama aqui foi menos importante que a apresentação do personagem para o filme-evento que será Os Vingadores.

Quem esperava "apenas" um filmaço de ação/aventura passado na 2ª Guerra, como Os Doze Condenados, Desafio das Águias ou Os Canhões de Navarone, morreu na praia da Normandia.

Momento-marvete: o Capitão lutando ficou legal. Mesmo brigando contra dez, quinze adversários (o que ele faz nos gibis num dia fraco), a logística absurda da coisa flui redonda. Na verdade, no filme inteiro só contabilizei 1 soldado inimigo fazendo hora atrás do Cap, aguardando pacientemente sua vez de levar porrada. Ah, e o escudo de vibranium com efeito bumerangue dual core ricocheteando por aí, nocauteando os bandidos e voltando às mãos do Cap... HQ em movimento.

Jack Kirby teria deixado escapar um sorriso discreto. E Joe Simon, do alto de seus 97 anos (o que é fantástico), deve ter ficado orgulhoso.

Ps: pela primeira vez, esperar por cenas pós-créditos me rendeu alguma info útil. Sempre me perguntei onde andaria o talentoso Rodolfo Damaggio, desenhista, entre outras coisas, do famoso arco onde o Arqueiro Verde se sacrifica para salvar Metrópolis de um avião carregado com uma bomba (olha a sincronicidade aí de novo...). Legal ver o brasileiro figurando entre o staff do Cap. Podia retornar aos quadrinhos tradicionais algum dia.

11 comentários:

samurai disse...

"perseguição de speeder bikes na lua de Endor"...muito boa
Resumiu muito bem. Achei que ficou faltando um "ta na hora do pau" com o Caveira. Realmente filme é outra "escada" para os vingadores.
Fica pensando como vão ser a lutas no Vingadores. Combate simultaneo ou individuais (x-men da fox) ?
Gostaria que vingasse a primeira opção
Abraços
Alessandro

Marcelo Paes disse...

Qual é a referência na primeira aprição do Armin Zola afinal? fiquei curioso

X-dude disse...

Grande Dogg mandando bem nas críticas como sempre.
A parte do Zola é quando ele olha numa lente de aumento, mostra o rosto dele da maneira que aparece nos quadrinhos...

Paulo Bala disse...

Primeiramente, crítica inspirada e ri horrores nos últimos paragrafos "...efeito bumerangue dual core...". Sempre tenho a sensação que Joe Johnston estraga boas histórias (October Sky e agora o The First Avenger) e quando elas não são boas alopra de vez, vide The Wolfman. A tua impressão foi precisa e clara de se ver, o filme caí muito na parte final com os amontoados de coisas que serão devidamente explicada nos Avengers vindouros. No entanto, isto não impediu uma grande brochada. Ainda assim saí do cinema devidamente surpreendido positivamente.

Anônimo disse...

Cara, gosto muito do jeito que vc escreve. Parabéns pelo trabalho!

Bruno Mattos disse...

Voltando aos reviews de filmes! Há bastante tempo não lia um aqui no BZ! Como sempre, esse foi "dead-on". Também sinto que os filmes da Marvel estão sendo basicamente "prequels" para um longa dos Vingadores, mas isso não me encomodou tanto no Capitão América quanto no Thor. Nesse temos ao menos uma origem a ser contada para o personagem quanto que no filme do asgardiano a sua transformação de babaca para bonzinho soou demasiadamente forçada. Fiquei curioso para saber o que achou do novo filme dos mutantes...

Bernardo disse...

Difícil encontrar crítica com mais conhecimento de causa que essa, tanto no quesito cinema quanto hq, e o resultado desse cruzamento no filme em questão. A ironia do título nazi do post não passou despercebida... Até me animei a ver o filme, apesar nunca ter visto nada que prestasse desse diretor até hoje, e inclusive achei que ele cagou feio na adaptação de Rocketeer, que já era praticamente um roteiro de filme prontinho. E também acho essa abordagem da Marvel de transformar tudo em pré-vingadores um equívoco, tomara que esse filme pelo menos valha todo o barulho que estão fazendo.

JoaoFPR disse...

Opa chê, fodamente escrito Dogg.
Dois pontos:
1° PERDI a referência do Dr. Zola, fuck!
2° Eu desejava ardentemente que colocassem o Samuel L, Jackson, junto as Comandos Selavgens, mesmo que fosse uma ponta sem falas.
Assim, teria um gancho perfeito com a linha Ultimates, afinal o "despertar" do Cap., na nossa época é quase idêntica.
Até poderia rolar um: "Olá Steve, a quanto tempo".

doggma disse...

Samurai, acho que deveria ter as duas "modalidades" ao longo do filme. Espero que o Whedon não fique na retranca.

* * *

Paulo, eu saí satisfeito só por ver quebrada uma longa tradição de tosqueira e vergonha alheia envolvendo filmes do personagem.

* * *

Valeu, Anônimo. Não é trabalho não, é diversão!

* * *

Bruno, vamos dizer que a mão do Vaughn não era das melhores, mas ele tinha na manga um par de ases (McAvoy & Fassbender). Algumas das melhores cenas já filmadas numa adaptação de quadrinhos vieram dali.

* * *

Bernardo, a Marvel certamente levou esse filme em rédea curta. Mas o Johnston foi correto, para o bem e para o mal.

* * *

Fala, JFPR! Cara, seria legal, mas com 70 anos de gap até a Shield... no universo normal dos quadrinhos, o caolho usa um soro milagroso lá pra não envelhecer.

Luiz André disse...

Achei estranho toda a celeuma antes da estreia deste filme nos cinemas ano passado devido ao fato do personagem principal vestir-se com cores que remetem à bandeira dos EUA e pregar em alto e bom som o american way of life. Não que isto seja uma forma de amestrar o público que aprecie o Capitão América como personagem, mas acredito que ele sofra do mesmo estigma do Superman. Por outro lado, se Steve Rogers tivesse nascido em qualquer outro país do globo - inclusive a Rússia - e recebesse os mesmos valores humanos e se prestasse a uma carreira militar - não para caçar terroristas ou erradicar nazistas em grandes guerras - a essência do personagem se manteria enquanto pequenos detalhes em seu background histórico se alterariam sem comprometer a fôrma da criação.
Acho que todos estavam (ou uma maioria ruidosa) esperando uma bomba mais pestilenta que X-Men Origins: Wolverine e, após seu lançamento, percebemos que não foi tão ruim assim. Se a trama do filme se concentrasse mais na época da guerra e tivesse menos aparatos tecnológicos ultrassofisticados para os anos 1940, o filme seria bem melhor.
Vamos esperar pelo que nosso chapa Joss Whedon tem a mostrar daqui a alguns meses, já que em entrevistas passadas, ele disse que o Capitão estará no centro da trama, ou seja, ele será o personagem que guiará o público nesta luta contra deuses e maravilhas.

doggma disse...

"se Steve Rogers tivesse nascido em qualquer outro país do globo - inclusive a Rússia - e recebesse os mesmos valores humanos e se prestasse a uma carreira militar - não para caçar terroristas ou erradicar nazistas em grandes guerras - a essência do personagem se manteria enquanto pequenos detalhes em seu background histórico se alterariam sem comprometer a fôrma da criação"

Interessante pensar por esse prisma, meio Superman - Red Son. Muito embora, particularmente ache que os "pequenos detalhes" fariam toda a diferença. As possibilidades seriam tentadoras.

In Joss Whedon we trust. Até agora, pelo menos.