sábado, 19 de junho de 2004

O CAVALEIRO HOLLYWOODIANO DAS TREVAS


A nova incursão cinematográfica do Bruce merece um crédito extra, ainda que por mera consternação. Nunca algo que era pra ser tão certo deu tão errado quanto o seu último filme. É triste constatar que os melhores momentos live-action do Morcego nos últimos 10 anos foram o cool Dead End e o total sem-noção Feira da Fruta...

Mesmo fãs não-iniciados nos becos de Gotham deveriam apoiar o novo filme do Chris Nolan. Seria o mesmo crédito que todos deram para o 1º filme dos X-Men (à base de muita má-vontade, diga-se). O que aconteceu então? Um diretor inexperiente em técnicas de ação (Bryan Singer), evitando sabiamente o colante amarelo do Wolverine, tendo que se virar com um orçamento quase brasileiro, e se concentrando basicamente na essência da mitologia mutante. Deu muito certo. O mesmo se pode esperar de Nolan, com a vantagem que a tesouraria da Warner está sendo bem mais generosa que a da Fox.

Só pra garantir o marco inicial, frisemos a primeira vitória: Christian Bale no manto do Cavaleiro das Trevas. Bale é um dos dois homens de Hollywood para assuntos relacionados ao Lado Negro da Humanidade (o "outro" é Edward Norton - a própria encarnação do Mal).

Bale começou cedo. A primeira vez que o vi foi em O Império do Sol, de Spielberg, ainda moleque, e justificando a fama de SS como um descobridor de talentos nato (Juliane Moore que o diga... quem reparou nela em O Fugitivo?).


Só fui ter notícias dele de novo no surpreendente Psicopata Americano (assista urgente!), já devidamente caracterizado como o anjo caído da 7ª Arte.

Talvez Bale não seja "tão mau" quanto o, hoje mal-aproveitado, Ed Norton, mas a compensação vem na forma do shape. Sua aparência é bastante socializável (ao contrário do Norton), o que é uma característica inata de Bruce. Sem esquecer que o verdadeiro Bruce, doentio e obsessivo, se revela apenas quando ele está sob o manto do Morcego.

Dica para conferir a competência do rapaz: a cena, em Psicopata Americano, em que ele descreve, por telefone, suas atrocidades assassinas para o seu analista.

Outra coisa: Morgan Freeman, Liam Neeson, Gary Oldman, Michael Caine, Katie Holmes, Cillian Murphy e Rutger Hauer... Não, não é uma reunião de ex-estudantes do British Actors. É o elenco de Batman Begins. Daí, ou sai um Quebra de Sigilo ou um Armageddon (Deus me livre e guarde).

E quanto às sofridas novas imagens do batmóvel, alguém conseguiu pular a faixa de segurança daquela exposição de licenciamento, em New York. Chega de se cadastrar no London Features International à toa. ;D






Ah, sim... e aquele projeto para um longa do Steve Rogers? Aonde foi que parou mesmo? No boato da contratação de Brad Pitt, em julho do ano passado?

:D

Um comentário:

WILLIAM MORAES CORRÊA disse...

Até agora, só fizeram versões bobas do Capitão América pro cinema. Cap sem Vingadores degelando não é o bandeiroso.

Quantoao Batman, eleé Batman indo e voltando. Apesar de alguns atores cafonas interpretando, mas a imagem psicótica do herói é que fica. E um baita atleta, detetive, inventor. Só pede pro Homem de Ferro, claro.

Só achoque deveria superar seu lado boiola e ter uma companheira, finalmente. Ele, o Super-homem azedo sem sal e o Peter Parker, de quem desconfio há muito tempo. Larga a mulher no meio da noite pra se atracar com macho?!

Até o Robin desencalhou... E logo com quem....