quarta-feira, 9 de junho de 2004

"...SEGUNDO LUGAR FEDE!"

(Bob "Bull" Hurley)


"Muito bem. É concebível que você possa me derrotar, vingador. Mas levaria muito tempo" - Palavras de Bruce? Não, palavras de Kurt Busiek, que amarelou em um dos confrontos mais aguardados de JLA vs Avengers. É, amarelou mesmo, pois o cara nem teve culhões para levar a luta até o final. Qualquer resultado ali seria respeitado, mesmo que o Bruce perdesse a contenda - desde que fosse bem tramado, claro.

Eu costumo chamar de "talentoso" aquele que consegue mudar a opinião de terceiros - inclusive dos radicais. Definitivamente, esse não é o caso de Busiek, que parece um Salieri da 9ª Arte (sabe tudo, mas não tem talento pra praticar).


Agora, errar é humano, mas insistir... É triste que muitos ainda levem a sério aquele "desabafo" do Bruce lá em cima. Nesse ponto o Busiek não tem culpa, afinal, ele só lançou a isca. Só mordeu esse engodo quem não usou a capacidade humana de questionar. Considerando que todo trabalho é passível de leves equívocos até erros grosseiros, a média de JLA vs Avengers até que não foi tão ruim, mas deu o azar de escorregar justamente em momentos cruciais de personagens caríssimos à maioria.


Como é que dá pra levar à sério uma lógica em que o Arthur dá trabalho pro Stark, que estava devidamente trajado para batalha? Só nesse golpe, o atlante teria quebrado todos os ossos da mão, do braço, do ante-braço e, se bobeasse, a fissura óssea chegaria até o crânio, provocando-lhe um belo traumatismo. E olha que eu gosto do Arthur, principalmente na fase Alan Davis.

Outra coisa:


Ou melhor, esquece... Sem comentários.



Tudo isso, não para provar que o Bruce é invencível, mas pra mostrar que tudo... ahn... muda o tempo todo... no mundo. Parker, Murdock, Clark, Logan e mais um monte de "melhores na sua área" já apanharam legal de gente que atua na mesma "área". Não levar isso em consideração, denota uma falta de raciocínio que é tão imperdoável nos roteiristas quanto no público - afinal, a grosso modo, somos nós quem ditamos o teor dos próximos 15 anos de HQ. Millar, Morrison, Bendis, Straczynski, e outras sensações, só estão lá por que nós, os césares que financiam isso tudo, levantamos o dedo opositor.


Agora, aonde chegamos? Particularmente, eu considero como os mais exímios lutadores dos quadrinhos: Slade Wilson, Daniel Rand, Shang Chi, Steve Rogers, Snake Eyes, Bruce Wayne e Stick (eu ia mandar um Mestre Splinter também, mas deixa baixo). Como visto, nada de Frank Castle ou Bane. Mas isso não os impediu de escorraçarem o Steve e o Bruce, respectivamente.


Imagine que o Capitão é o War Bush e clique em cima

O primeiro, foi em Justiceiro Massacra o Universo Marvel, em um bem sacado embate sobre quem é o melhor soldado. Frank provou que era o melhor metendo um tirambaço na cabeça do Defensor do Modo de Vida Americano. Antes que alguém diga "ah, mas aquilo lá foi um elseworld...", eu já respondo dizendo que realidades alternativas não distorcem o potencial dos personagens, e sim, sua ambientação e/ou motivações. Mesmo porque, essa história foi roteirizada pelo Garth Ennis, que, espero, tem uma credibilidade muito acima da média frente aos leitores.




Quanto ao Bane, todos sabem que ele foi o cara que botou o Bruce pra amargar numa cadeira de rodas. A Queda do Morcego foi um arco longo e arrastado, mas deu pra sacar duas coisas: 1º - Naquele dia o Bruce não devia ter levantado da bat-cama; 2º - Qualquer um pode ser derrotado em circunstâncias desfavoráveis.

Daí, chego à seguinte e lógica conclusão...


...John Herod é que estava certo. E quem é esse? É o personagem do Gene Hackman no filme Rápida e Mortal. Sempre que ele ia duelar com algum pistoleiro incauto, ele dizia: "think you're quick enough?" Na verdade, ele não dizia aquilo ali apenas pra assustar o adversário, mas pra lembrar a si próprio de sua condição arriscada. Até quando vou conseguir ser o melhor? Será que consigo passar por mais esse? Será que esse cara treinou o dobro do que eu treinei? É esse tipo de coisa que deveríamos perceber nos personagens. É isso que os autores deveriam nos mostrar, e não conclusões evazivas visando evitar que a sua falta de talento seja descoberta.

Faça o seguinte... releia DK. A luta mais difícil do Bruce ali não foi contra o deus greco-kryptoniano, e sim contra aquele líder dos mutantes. Ali, o Bruce lutou duas vezes: contra o adversário e contra si mesmo. Tal qual o John Herod.

Em tempo: considero Rápida e Mortal disparado o pior filme de Sam Raimi, mas mesmo projetos ruins de grandes autores conseguem passar algo válido no resultado final.

Ah sim. Bob "Bull" Hurley é aquele gorilão que foi o antagonista do Stallone no filme Falcão, O Campeão dos Campeões.


Não vão na onda dele não, hein.



doggmorpheus, tentando libertar a mente de terceiros, e chapando vinho Canção (booom...) ao som de Astral Doors, grande dica do Czarniano Schmidt.

Um comentário:

WILLIAM MORAES CORRÊA disse...

Eu continuo parabenizando o blog e os comentários, até mesmo porque questiona assuntos realmente interessantes e aborda temas pitorescos, seja resgatando valiosas memórias ou discutindo o presente.
Eu também concordo que os roteiristas apanham muito quando se trata de conseguir vilões à altura dos super-heróis ou quando acontecem esses crossovers entre universos paralelos. Acontecem muitos absurdos mesmos. E olha que sou fã de carteirinah da marvel, principalmente do Homemd e Ferro, por isso achamos que sabemos mais do que muita gente metida a roteirista.